MAPA DO SITE ACESSIBILIDADE ALTO CONTRASTE
CEFET-MG

Encontro da Pós-Graduação discute internacionalização e nucleação da pesquisa

Sexta-feira, 24 de agosto de 2018

dsc06379

O 10º Encontro de Docentes da Pós-Graduação 2018, organizado pela Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação (DPGG), reuniu nos dias 20 e 21 de agosto, no Canto da Siriema em Jaboticatubas, professores dos programas de mestrado e doutorado do CEFET-MG. O encontro foi uma oportunidade de se discutir, planejar e construir as ações com o objetivo de expandir e qualificar a pós-graduação na Instituição. O evento deste ano tratou das “Políticas de internacionalização”, apresentada pelos professores Dr. Carlos Henrique e Dr. Waldenor Barros da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e das “Estratégias de nucleação da pesquisa em projetos interdisciplinares” experiência apresentada pela Drª Marcela Sorelli da Universidade Federal do ABC (UFABC). E ainda, do momento de reavaliação de interesses de investimento das agências de fomento em pesquisa, apresentado pelo presidente da Fapemig, Dr. Evaldo Vilela.

Na abertura do evento, o diretor-geral do CEFET-MG, professor Flávio Santos, destacou a importância desse tipo de encontro para consolidar, ampliar e promover uma inserção adequada da pós-graduação dentro da Instituição. Ao falar das temáticas escolhidas para o evento, ele colocou que se trata de uma continuidade do encontro do ano passado. Lembrou que os temas estão inseridos oportunamente, já que estamos em um momento de mudanças significativas pelas quais passam o país, e especificamente as avaliações feitas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). “A Capes vem sinalizando a direção de mudanças importantes, não só, em períodos de avaliação, mas dos próprios instrumentos de avaliação”, aponta o Diretor. Ele ainda pontuou sobre um tema que deve nortear de forma permanente a Instituição, o da divulgação científica como forma de comunicar para a sociedade a importância dos investimentos na produção científica e tecnológica.

No primeiro dia do evento, o tema que norteou o debate foi “Políticas de Internacionalização” e os professores Dr. Carlos Henrique e Dr. Waldenor Barros da fizeram uma apresentação sobre a estratégias de internacionalização usadas na UFU. Um dos temas apresentados foi sobre o Programa de Internacionalização (PrInt) da Capes. A última fala do dia coube ao professor Evaldo Vilela, presidente da Fapemig que apontou a necessidade das instituições em formar parcerias com a indústria produzindo soluções para o mercado.

No segundo dia, o diretor da DPPG Conrado Rodrigues apresentou um panorama geral das perspectivas e ações da pós-graduação no CEFET-MG. Foram apresentados um sistema de análise de dados de pesquisas acadêmicas que serviu de parâmetro para avaliar e analisar a evolução da produção intelectual da Instituição. Ao mostrar esses resultados, o diretor mostrou o potencial da Instituição, mas sinalizou para a necessidade de se intensificar a atuação dos programas e grupos de pesquisa em projetos multidisciplinares. Foram apresentadas, também, as ações já desenvolvidas para fortalecer uma política de Divulgação Científica dentro da Instituição. Dentro dessas ações estão o lançamento da Revista Tunel; uma apresentação da prévia do Catálogo de Grupos de Pesquisa; a implantação da ferramenta calendário de eventos dentro do site da CGDCT e atualização da Revista Educação e Tecnologia. O evento teve como principal objetivo construir e desenvolver ações que continuem fortalecendo a pesquisa e a pós-graduação no CEFET-MG, concluiu ele.

A Diretora Adjunta de Pesquisa e Pós-Graduação, Danielle Marra falou da implantação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) no CEFET-MG. “O comitê visa defender o participante da pesquisa, o que termina por proteger, também, o pesquisador e a própria instituição, evitando problemas futuros”, diz ela. Cabe ao comitê assegurar uma pesquisa que respeita o ser humano. Ao apresentar como se dá o funcionamento dele, as informações passadas podem ajudar os pesquisadores a encaminhar um projeto com as informações corretas evitando assim, a demora na avaliação e análise pelo Comitê.

Na sequência foi feita uma demonstração da importância da interdisciplinaridade e da viabilidade dessa tendência mundial em termos de pesquisa e produção intelectual. A professora Drª Marcela Sorelli, da Universidade Federal do ABC (UFABC) mostrou como sua instituição tem consolidadas as estratégias de nucleação de pesquisas em projetos interdisciplinares. A universidade com 2 campi e 12 anos de existência tem um sistema de formação acadêmica que nasceu diferente das convencionais e funciona de forma interdisciplinar. Na prática, o aluno pode cursar disciplinas aleatoriamente para sua formação. Ele pode ir delineando suas escolhas e amadurecendo seu perfil acadêmico, sem se prender a um curso específico. “A grade curricular é bem aberta, os docentes se misturam, os alunos se misturam e o que se vê na prática é essa junção, esse fazer interdisciplinar”, afirma a professora.